Psicologia Aplicada: resolução de problema.

Artigo teórico-científico elaborado a partir de pesquisas e revisões bibliográficas embasadas na psicologia aplicada com intervenção em resolução de problemas simples e operacionais complexos...

0
265
Imagem: Pinterester
Imagem: Pinterest

PERCEPÇÃO E CONHECIMENTO.

No quesito filtrar com  utilidade as informações é necessário selecionar com atenção o conhecimento.

Desenvolver familiaridade com os esquemas mentais nesse cenário é de suma importância para veiculação de conceitos, provocar reflexão, ampliar a capacidade intelectual coletiva e individual.

Devido a liquidez do conhecimento prático, surgem questão que implicam habilidades necessárias para elaborar o pensamento, isto é, que permita improviso, inventividade, busca de soluções em novas situações.

A seguir elucidaremos categorias e fases da percepção, com isto é pretendido propiciar apropriação dos domínios tecnológicos da informação.

ESTÁGIOS PERCEPTIVOS

Percepção é o processo que pode ser elaborado individual e coletivamente, caracterizando um ativo no qual é postulado organizar, selecionar e interpretar as informações, ou estímulos enviados para o cérebro.

1. Seleção

O número de estímulos aos que estamos expostos diariamente supera a nossa capacidade, o que por sua vez implica filtrar e escolher as informações que queremos perceber, este processo é realizado através de atenção, experiência, necessidades e preferências.

2. Organização

Partindo do processo de seleção, é importante reunir em grupo os estímulos adquiridos e dar-lhe utilidade prática, objetivando automatizar os processos mentais da informação.

Na percepção há sinergia, dado que é uma percepção total do que é percebido e não pode ser reduzida a características individuais de estímulos.

3. Interpretação

A interpretação é o caminho a ser seguir; pois quando é organizado todos os estímulos selecionados, é o momento de atribuir significado para eles, tornando versátil o processo de percepção, interpretação e é modulado por nossa experiência adquirida ao longo da  aprendizagem.

COMO UTILIZAR O CONHECIMENTO?

Conhecimento consiste em informações diversas que são capituladas com base na atenção, seletividade e circunstância.

O “cérebro não diferencia a realidade interna (crenças, pensamentos) da realidade externa (informação palpável, mensurável) ”

Segundo Quintella 2019, o “cérebro não diferencia a realidade interna (crenças, pensamentos) da realidade externa (informação palpável, mensurável) ”, dito isto, uma ideia ou situação adversa pode soar como ameaça e suprimir a capacidade de concentração, inventividade e articulação entre duas ou mais alternativas.

 O desenvolvimento e fluidez do pensamento deve ser salientado como uma atividade ligada ao funcionamento do organismo, em conjunta adaptação ao funcionamento intelectual, […] que constitui a habilidade de integrar as estruturas físicas e psicológicas em sistemas coerentes, assim, o organismo discrimina entre muitos estímulos e sensações com os quais é bombardeado e as organiza em alguma forma de estrutura[…], conhecida também como esquemas.

OUTRO OLHAR:

WADSWORTH (1996), define os esquemas “como estruturas mentais, ou cognitivas”, que são utilizadas para formação de novos conceitos e alternativas.

Diante a possibilidade de alternar, entre informações, surge a possibilidade de criar resoluções, caminhos e metas a serem embasadas pelo conhecimento prático e palpável, não obstante, é permitido desenvolver estratégias paralelas e abertura a novas experiências.

NOVAS POSSIBILIDADES

Obter ou construir possibilidades é uma interação previa do conhecimento que foi adquirido nos estágios iniciais da percepção, especificamente nas fases de seleção e organização ver, (estágios da percepção (cf. percepção cognifit, 2018).

Estas estruturas prévias podem permanecer invariáveis ou não, isto significa que, é possível e existe a opção de adaptar novos estímulos ao conhecimento e ressignifica-lo.

Quando assimilamos um conhecimento, as estruturas cognitivas captam a informação com particularidades antes não percebidas, não obstante, é viabilizado criar outro modelo de conhecimento, ou modifica-lo, a fim de adaptar-se a situação e solubilizar problemas.

MÉTODO EM RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

Os problemas são partes inevitáveis da vida, contudo, eles podem ampliar significativamente habilidades, realizações pessoais e promover resiliência.

Passo 1:

O primeiro passo consiste em *adotar uma atitude, isto é, se mover, pensar e reunir informação sobre as virtudes que possui, assumir que existe uma deficiência e corrigi-la identificando os pontos fortes que possui, produzir auto eficiência.

É de suma importância permitir olhar a situação por vários ângulos, aprimorando a capacidade de percepção.

Passo 2:

Uma vez identificado o que precisamos fazer, e que podemos construir solução específica, para esta etapa, é interessante formular estratégias adequadas.

Reunir as informações sobre a situação é o próximo movimento, essa categoria, é *primordial definir os objetivos, e identificar o que levou a situação anterior para que não seja repetida.

Passo 3:

Conseguido realizar os passos anteriores, sabendo o que será trabalhado, é o momento de usar o máximo de soluções e alternativas possíveis.

Quanto mais ideias forem produzidas, melhor a otimização do tempo para alcançar os objetivos, por sua vez, as ideias conseguintes serão elaboradas com mais fineza e qualidade. É importante “lembrar que nesta fase não avaliamos a qualidade das soluções”.

Passo 4:

Agora é o momento de compara e avaliar as alternativas levantadas na sessão anterior! Para cada solução proposta existe uma balança com benefícios e custos de curto e longo prazo em cada resultado esperado.

CRITÉRIOS PARA DECIDIR

Resolução do problema: probabilidade de alcançar a solução.

Bem-estar emocional: qualidade do resultado emocional esperado.

Bem-estar pessoal e social em conjunto: razão custo/benefício esperado total.

Tempo/esforço: o cálculo da quantidade de tempo e esforço que acreditamos que requeira.

Passo 5:

Por fim; logo após escolher, ou chegar a conclusão, é hora de colocar em prática. Uma vez executado o plano, é importante observar e comparar o resultado obtido. Caso seja descoberto que o resultado não é como previsto, cabe encontrar e intervir no erro e reatar com o objetivo inicial.

Como todo processo de trabalho, é interessante estabelecer pequenas recompensas após concluir com êxito a solução de problema, ou seja, se premiar, comemorar cada vitória.

Para cada momento e situação, é mais que recomendável usar as ferramentas acima citadas, a fim de colocar em prática, desenvolver e aprimorar habilidades interpessoais e psicológicas.

REFERÊNCIAS

A terapia de solução de problemas: o método científico para tomar decisões. A mente é maravilhosa. Mar./2017. Disponível em: < https://amenteemaravilhosa.com.br/terapia-solucao-problemas/ > acesso em: Jul./2019.

AZEVEDO. T.  A Percepção Figura-Fundo | Psicologia da Gestalt. Psicoativo. Jan./2017. Disponível em: < https://psicoativo.com/2017/01/percepcao-figura-fundo-psicologia-da-gestalt.html>. Acesso em: Mai. /2019.

Percepção: A habilidade responsável pelo reconhecimento. Cognifit.  Disponível em: < https://www.cognifit.com/br/percepcao>

PIAGET, Jean. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

PIAGET, Jean. Biologia e Conhecimento. 2ª Ed. Vozes : Petrópolis, 1996.

WADSWORTH, Barry. Inteligência e Afetividade da Criança. 4. Ed. São Paulo : Enio Matheus Guazzelli, 1996

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor deixe seu comentário
Digite seu endereço de e-mail aqui